Another Now – o outro agora do Design de Moda

Sem título

 

Conhecer o outro agora da moda, as diversas profissões em que um designer pode trabalhar, foi o que inspirou o evento-portfólio do terceiro ano do curso de Design de Moda da Universidade Positivo realizado terça-feira (18).

A stylist Andrea Gappmayer e o fotógrafo Nuno Papp, da YPSI Moda, deram inicio ao evento compartilhando suas experiências com produção de moda.

 

26496055493_68362524fe_o

 

A dupla apresentou o trabalho desenvolvido pela YPSI, com alguns editoriais feitos para a marca curitibana Open Studio e também para a revista TOP View.

Andrea destacou o cuidado necessário na hora de atribuir os créditos, não podendo esquecer de colocar de qual marca aquela peça pertence.

 

26496055473_131cb441dc_o

 

Já Nuno abordou questões de fotografia, recomendando para aqueles que tem interesse em trabalhar na área procurarem um curso para a especialização.  Também relatou que as fotos tiradas por ele sempre estão no modo RAW. “Quando se faz fotografia para moda, as cores são muito importantes. A peça na foto precisa ter a mesma cor da peça física.” A luz influencia diretamente nesse processo e o que muitos não sabem é que luz também tem moda, variando de estação para estação. É preciso se questionar, o que o cliente quer? 

O produtor de moda precisa entender de todas as partes que compõem um editorial desde fotografia, maquiagem, equipe e o ponto principal: as roupas. É necessário conhecer o tecido, as cores, o caimento.  As peças geralmente precisam de atenção especial e precisam ser devolvidas a marca/loja da mesma maneira as quais foram entregues.

O ápice do primeiro bloco do Another foi a produção de um editorial ao vivo, no palco do auditório. Uma câmera, um tripe e um refletor foram instalados para as fotos serem tiradas ali mesmo, da modelo sentada na cadeira. Após a produção, as fotos receberam um tratamento inicial e foram exibidas para o público.

“Não necessariamente o editorial quer mostrar as roupas. Aqui o foco são mais na maquiagem e nos acessórios. A calça da modelo combina com a cadeira e isso é proposital” revela Nuno

 

26496055223_72708abc9f_o

27066731656_526f8e3b14_o

 

Enquanto as fotos passavam pelo primeiro tratamento, a jornalista Carmela Scarpi e a designer de moda, Heloisa Bebik subiram ao palco.

O editoral vende uma ideia e não necessariamente um produto, com exceção das produções publicitárias e do lookbook” analisa Scarpi. As fotos são o resumo visual que a revista pretende passar, este que deve casar com a informação. Para o editor, o editorial é mais uma pauta da revista.

Outro ponto abordado durante a conversa foi a questão do público. Qual é o seu público? Heloisa explica que o público também produz informação e também produz roupas. Ao conhecer seus leitores, você se especializa, encontra um nicho. No caso da FOUREVER, somos voltados a modelos.

É preciso definir novas pautas, como por exemplo moda para idosos um setor em crescimento. A revista online é diferente de um blog. São plataformas diferentes as revistas tem toda a questão jornalistica por traz, apuração. O material é mais trabalhado.

 

26496055593_e6223fb875_o

 

Já o segundo bloco do evento teve inicio com um desfile. As peças são da marca Amanda Ditzel, que leva o nome da estilista. Amanda se formou na própria universidade e uma das características marcantes de sua produção são as estampas, feitas manualmente por ela.

 

27031646261_60f684573c_o

 

27031645881_1bea855922_o

 

27066731436_5720e0ac9f_o

 

26496055073_ba12591c9d_o

 

Após o desfile foi a vez de designer de joias, Ellen Piragine; o artista Eduardo Milek; e a diretora da Anima Trends, Camila Ferrari compartilharem suas experiências.

 

27066732056_c882c60132_o

 

Eduardo ficou responsável pela identidade visual do evento, tanto que os quadros que decoraram o auditório são de sua autoria. Posteriormente cada um dos palestrantes recebeu um pela participação. “Cada vez mais vemos influências da arte na moda, como o aquerela, o arabesco, os padrões, e os próprios azulejos portugueses fazendo uma referência a arte contemporânea.

Já Camila fez uma análise do mercado regional, com base na tendências. As peças autorias vem ganhando cada vez mais espaço e uma vez que o Slow Fashion, a queda no consumo estão se consolidando é necessário agregar um serviço a peça ou produto. Hoje Curitiba é considerada o polo brasileiro do design.

A moda não é mais uma regra – Ellen Piragine

E por fim, Piragine apresentou seus acessórios feitos com madeira. Os produtos artesanais tem com matéria-prima madeiras originais que sobram de obras ou geralmente estão para serem jogadas fora.  Para conhecer as peças clique aqui

E esse foi um pouquinho do que rolou no Another Now. Gostou?

Me conta nos comentários!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s